25 de ago de 2012

Resenha: Dragões de Éter - Corações de Neve


Título original: Dragões de Éter - Corações de Neve
Autor: Raphael Draccon
Editora: Leya
Número de páginas: 495
SinópseNova Ether é um mundo protegido por poderosos avatares em forma de fadas-amazonas. Um dia, porém, cansadas das falhas dos seres racionais, algumas delas se voltaram contra as antigas raças. E assim nasceu a Era Antiga. Hoje, Arzallum, o Maior dos Reinos, tem um novo rei, e a esperada Era Nova se inicia. Entretanto, coisas estranhas continuam a acontecer... Uma adolescente desenvolve uma iniciação mística proibida, despertando dons extraordinários  que tocam nos dois lados da vida. Dois irmãos descobrem uma ligação de família com antigos laços de magia negra, que lhes são cobrados. Duas antigas sociedades secretas que deveriam estar exterminadas renascem como uma única, extremamente furiosa. Após duas décadas preso e prestes a completar 40 anos, um ex-prisioneiro reconhecido mundialmente pelas ideias de rebeldia e divisão justa dos bens roubados de ricos entre pobres é libertado, desenterrando velhas feridas, ressentimentos entre monarcas e canções de guerra perigosas. O último príncipe de Arzallum resgata sombrios segredos familiares e enfrenta o torneio de pugilismo mais famoso do mundo, despertando na jornada poderosas forças malignas e benignas além de seu controle e compreensão. E a tecnologia do Oriente chega de maneira devastadora ao Grande Paço, dando início a um processo que irá unir magia e ciência, modificando todo o conhecimento científico que o Ocidente imaginava possuir. E o mundo mudará. Mais uma vez.



  Na fantástica continuação da saga de Ariane Narin, João e Maria Hanson, Axel e Anísio Branford, Snail Galford e Liriel Gabbiani, Raphael novamente nos trás um livro rico em criatividade e com um enredo cativante.

  A história conta com grande parte dos personagens do primeiro livro e personagens novos, como Robert de Locksley, Branca e Alonso Coração de Neve, Ruggiero, Helena Bravaria e Rumpelstichen.


"...Pois cada passo que um homem dá em direção a uma morte não natural é um aviso à humanidade que ele está inserido que toda ela falhou em algum ponto.
E, enquanto ele respirar, sempre, sempre parecerá ainda haver a esperança de que essa falha poderá ser enfim corrigida ou entendida.
Ou que ela não será consertada jamais. 

  Representantes de diversos reinos estão presentes em Andreanne, cede do torneio mundial de pugilismo, o auge da vida de qualquer pugilista profissional é lutar neste torneio, e Axel Terra Branford é o representante do reino de Arzallum. Ele está muito confiante até um pugilista oriental do continente Nascente aparecer em um barco voador com gnomos que prometem inovar todas as tecnologias existentes no continente Ocaso e levá-lo a uma Nova Era.

  Após ficar quase toda sua vida na prisão por ter formado uma gangue que roubava dos ricos e dava aos pobres, Robert de Locksley, ou Robin, sai da prisão querendo continuar com o seu plano: Libertar Sherwood das mãos de Stallia e Minotaurus, e para isso, receberá o apoio de ninguém mais ninguém menos que Snail Galford, nosso ex-pirata favorito. Mas, para isso, ele precisará da ajuda de Liriel Gabbiani, e de um exército.


"É um fato: o ser humano se sente bem quando é deslumbrado. Ele passa a dar credibilidade maior e a olhar de forma diferente uma situação quando isso acontece. Mesmo um conteúdo fraco pode ser facilmente disfarçado e bem vendido por uma boa apresentação.

  A jovem Ariane Narin descobre que é uma bruxa e faz sua iniciação ao lado de sua mãe Anna e sua mentora Madame Viotti. A relação (amor, amizade, quem vai saber né) de João Hanson e Ariane é bem desenvolvida e também temos a morte de um personagem importante.

  Não tenho muito o que falar porque além de o livro ser basicamente o que eu disse acima, não quero dar nenhum spoiler. Só posso adiantar que o livro é muito bom, vale a pena continuar lendo a série. Raphael sabe muito bem como instigar-nos com suas charadas e deixar-nos pensativos com suas palavras.


0 comentários:

Postar um comentário